quarta-feira, 3 de novembro de 2010

DESTINO

Não bordo por destino
nem me dobro

Não cedo à mão da vida
nem me encubro

Não cumpro  não aceito
nem me calo

Não amo o que é imposto
Nem me afundo


Maria Teresa Horta



 

3 comentários:

  1. *
    nem eu esperava
    outra atitude,
    de ti, M.T.Horta !
    ,
    Ana
    gostei do teu post !
    ,
    conchinhas,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  2. Belo poema...bela fotografia...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar