domingo, 17 de janeiro de 2010

O TEMPO, O ESPAÇO, E A MADRUGADA

Perdeste-me, nesse momento de desespero
Perdeste-me, há já tempo, no tempo...
E no espaço daquela madrugada
Que baptizámos de sombria...


Éramos, pensávamos, pobres de nós
Sermos aquele rochedo de mar a seus pés,
Mas o mar passou por nós
E nos levou pelo tempo
E no espaço tardio, o grito e o vento...
E a madrugada gemeu em profunda tristeza


E o rochedo que pensámos ser tu e eu
O tempo, o espaço e a madrugada
Para sempre nos perdeu!...


António Henrique 









8 comentários:

  1. As tuas escolhas são perfeitas.

    beijo

    ResponderEliminar
  2. ANA isabel


    UM BEIJO.. E ...

    a poesia nasce muitas vezes das pequenas coisas que ninguén dá valor. Mas o poeta está atento


    um beijo


    PEDRA FRIA


    Sentada nesta pedra fria

    Os meus pensamentos voam
    Aqui vejo as árvores e o céu...
    As libelinhas e as formiguinhas...

    E tudo me faz companhia...
    Tudo me faz sentir bem...
    Pois com cuidado vêm ter comigo...

    E a libelinha de mansinho...
    Poisa nos meus ombros...
    E sinto que me afaga...
    Como a querer beijar-me...

    As formigas, correm e correm...
    Estão a pensar nelas...
    Vão trabalhando...
    E não olham para mais nada...

    Trabalho e liberdade...
    Estão de mãos dadas...
    E com carinho...
    Olham para mim...

    E eu sentada na pedra fria...
    Deixo-me embalar...
    E deixo-me adormecer


    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  3. Adorei, este texto...simplesmente excelente.

    ResponderEliminar
  4. fotografia fantástica e poema lindíssimo, parabéns Ana Isabel

    ResponderEliminar
  5. *
    um belo poema,
    na tua sublime escolha,
    ,
    ofereço-te,
    ,
    no rodopio
    das espumas,
    navego o mar
    do meu segredo,
    quilha cortante
    da impaciência,
    louca amargura,
    ébrias miragens,
    ,
    conchinhas mareantes, deixo,
    ,
    -

    ResponderEliminar
  6. Uma excelente escolha entre o tempo e o espaço... parabéns
    Um beijo
    Chris

    ResponderEliminar
  7. A vida realmente é um sopro no tempo, mesmo suportando o que nós pensamos desaparece, como muitos juramentos sob secumplió céu nenhum comodice e seu poema está amanhecendo. Um abraço. Belo poema.

    ResponderEliminar