segunda-feira, 5 de abril de 2010

CONSTELAÇÕES

Usamos todos a ilusão
de fabricar a vida:
histórias, constelações
de sons e gestos

Usamos todos a suprema glória
do amor: por generosidade
ou fantasia, ou nada, que de nada se fazem universos

Usamos todos mil chapéus de bicos
mal recortados e de encontro
ao sol:
o nosso mais perfeito em franja e bico
e um arremedo tal e seiscentista
que ofuscando-se: o sol

Usamos todos esta condição
de pó de vento, ou de rio
sem pé: único dom de fabricar o tempo
em raiz de palmeira 
ou de cipreste


Ana Luísa Amaral


5 comentários:

  1. Después de mi ausencia es estupendo volver a leerte... me quedo como siempre por tu espacio..

    Un gusto disfrutar de tus letras.

    Un abrazo
    Saludos fraternos..

    ResponderEliminar
  2. Ana Isabel

    Adorando também o sentido estético da poesia, comfesso que gostei do poema, de Ana Luisa Amaral, que mostra a tua sensilidade na escolha. A foto é óptima. O blog em si, é atraente.
    Beijos
    Daniel

    ResponderEliminar
  3. As tuas escolhas são soberbas, a imagem é um reflexo do teu olhar.

    beijo

    ResponderEliminar
  4. As pessoas não se tornam especiais pela maneira de ser ou agir, mas pela profundidade em que atingem nossos sentimentos
    Uma boa semana
    bjs com carinho

    ResponderEliminar