sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Poesia

SONETO MAIS QUE SONETO



Enquanto é só razão, sei que consigo
Salvaguardar-me lúcida e pensada.
Mas mal te tento reorganizar
Numa memória nova ou recriada,

Retorno ao ponto zero em que me estás:
Soneto dos sonetos mais antigos:
Numa normal conversa com fantasmas
Como aos fantasmas de velhos amigos.

Sonho-te, cerebral e por vontade,
Palavra de influências libertada,
Mais que neologismo no meu canto.

Dou-te voltas e dobras racionais,
Trato-to como trato os meus papéis
-Mas só me vêm métricas cruéis.

E desalinho ao desejar-te tanto
(ou «Desafino ao desejar-te tanto?»)



Ana Luísa Amaral-Se fosse um intervalo


de Ruyman78

                                                                             
                       
                    

6 comentários:

  1. Passei por aqui para conhecer este teu espaço e gostei... parabéns
    Abraço
    Chris

    ResponderEliminar
  2. Bello es leerte siempre..
    Un beso

    Un abrazo
    Saludos fraternos..

    Que disfrutes de tu fin de semana...

    ResponderEliminar
  3. ANA ISABEL

    A altura foi má mas eu consigo sempre... mesmo debilitada...
    O meu Livro
    MAGIA DE NATAL está quase pronto.
    Conto fazer o lançamento no próximo sábado.
    É mais um sonho concretizado

    ACHADOS


    Pedras e pedrinhas...
    Encontro no meu caminho...


    Pérolas e diamantes...
    Encontro nas vitrinas...


    Ostras e ostrinhas...
    Encontro junto à praia...


    E, não encontro...
    O que procuro...


    Mas... vou procurar...
    Porque sei que vou achar...


    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. BOM TARDE.
    Antes de mais nada estou aqui para agradecer a visita e seu comentário tão significativo para mim. Eu ando um pouco ausente, minha conexão anda péssima, lentíssima - perco muito tempo para abrir os blogs, os mais carregados eu até desisto. Como já havia dito, eu moro dentro de um pedacinho da mata Atlãntica e o sinal aqui é muito dificultoso. Além do mais, com toda essa chuva que tem caído tenho mantido o meu computador desligado por conta dos raios, já queimei uma televisão por causa disso, aqui não tem pára-raios ( agora vê, acostumada com cidade grande, achei que no mato poderia existir um pára-raio - só eu mesma). Espero que compreenda as diversas limitações de quem escolheu viver no mato.
    Hoje eu trago uma história bem legal, por um acaso sabe onde fica a tal casa-da-mãe-joana? Então vá até lá conferir.
    A medida do possível vou colocando as histórias, com a lentidão de sempre.
    FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... agradece mais uma vez a sua visita esperando que volte sempre.
    BOM DOMINGO.
    Saudações Florestais !
    http://www.silnunesprof.blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. O desejo deve ser concretizado...

    Beijo

    ResponderEliminar